Que t-shirts com estampas irreverentes, cômicas ou com frases de efeitos estão em alta na moda da galera alternativa, isso já não é novidade. De algumas poucas temporadas pra cá essa forma jovem e nada óbvia de transmitir uma mensagem está sendo tão usada, que até marcas de luxo já fizeram suas versões.

O que você talvez não saiba é que essa história começou na década de 1970 pela estilista Vivienne Westwood (conhecida por inserir o movimento punk nas passarelas). Foi nesta década que houve o “boom” das tribos urbanas. Os punks os hippies são exemplos bem clássicos desses movimentos surgidos da cultura de rua. De alguma forma, essas tribos não eram bem vistas pela sociedade tradicional por serem grupos marginalizados. Foi nessa não aceitação que surgiu uma loja em Londres chamada Sex, comandada pela estilista Vivienne e seu marido, Malcolm McLaren.

A loja foi a primeira com a proposta de comercializar peças oriundas do movimento punk como botas de plástico, jeans detonado, peças com aplicações, rasgos, borracha, etc. E logo na vitrine, eram expostas camisetas que levavam estampas nada convencionais. Além de referência musical (seu marido, e sócio McLaren era empresário de uma das bandas que iniciaram o movimento, a Sex Pistols), as camisetas tinham também imagens de sexo explícito, personagens da Disney se drogando, referência homossexual, religiosa, etc. Para a época, isso foi bem irreverente e chocante, mas ajudaram a marcar a ideologia de um movimento que surgiu da subcultura jovem, para provar mais uma vez que moda é identidade histórica.

Você usa? Quantas você tem no armário?






Escrito por Dhyogo Oliveira
Blogueiro e designer de moda. Também escreve no Sem Geração.