Todos os dias, quando eu chego no trabalho, os meninos comentam a minha roupa. Geralmente os comentários são categorizados. Se estou de botas, sou “a domadora de cavalos“. Se uso estampas florais e cabelos cacheados, “a Maria do Bairro chegou“. Um terninho sisudo me transforma em “executiva premium“, e assim vai. Encaro tudo com muito bom humor, afinal, é a velha história de “brincadeirinha de meninos”. Mas, isto me faz pensar o seguinte: nem todo mundo encara comentários e brincadeirinhas com essa mesma tranquilidade. E sim, muita gente deixa de ficar a vontade com o que usar por conta dos comentários alheios.

Quem nunca pensou em mudar o visual e ficou com medo por conta do que iam falar? Lembro de um amigo que sempre usou o combo calça e camiseta, e me ligou dizendo que ia ter um encontro e estava com medo de usar camisa e “parecer caipira”, porque de repente ele ia se tornar “formal demais” .

O quanto vale se preocupar com o que os outros pensam de você? Casos como o do menino Casey, o Garoto Zangief, alcançam milhões de views no Youtube e é uma pena que  só assim nós notamos o quanto nossas atitudes costumam ter um peso muito maior do que a gente pensa.

A minha intenção ao escrever esse artigo era dizer o quanto devemos relevar o que ouvimos por aí e confiar mais em nós mesmos. Mas, agora, eu decidi fazer um outro pedido.

Vamos prestar mais atenção no que falamos. Pensar antes de falar. Não custa nada segurar a piadinha e manter o amigo. Afinal, o gordinho que senta do seu lado, pode ficar ofendido e descontar ainda mais na comida. E a menina que tem “pouca sombra” – prestem atenção – não tem muito o que fazer além de usar uns bons saltos para ganhar centímetros a mais.

Queremos tanto saber do que é fashion e bonito… então guardem bem esta regra: nada mais elegante do que abrir a boca apenas para fazer elogios.

Vamos praticar? Não custa nada.






Escrito por Erica Hans