A forma como a internet mudou e tem mudado a moda, tem dado espaço para novas ideias que acabam traduzindo em novas marcas para novos consumidores. Mais que o sistema de moda, o que mudou foi o acesso a informação como um todo. O olhar do consumidor está sendo treinado a cada imagem lotada de estilo e conceito que chega até a gente através de Tumblr, Pinterest e blogs de streetstyle.

As referências que, antes, ficavam restritas aos estilistas, hoje estão ao alcance de todos: ao mesmo tempo que os inspira, nos inspira e é nessa relação de troca que alguns consumidores acabam tomando a posição de criadores, se especializando e buscando nichos cada vez mais específicos no mercado de moda.
Isso para explicar esse movimento de novas de marcas que fazem a internet uma grande aliada e um público que não se restringe ao espaço físico que a loja delimita. Marcas que trazem referências visuais fortes, conceitos que extrapolam a roupa e coleções limitadas (quiçá, quase exclusivas).

A Enkb é um grande exemplo disso. Já tinha ouvido um burburinho no último Rio Moda Hype, mas conheci a marca mesmo foi buscando referências visuais na internet. E acabei encontrando muito mais.

A Mell, estilista que divide a Enkb com Cínthia , uma amiga/sócia que conheceu nos tempos de faculdade (e foi nesse meio acadêmico que a marca começou a ganhar forma), explica a preocupação de criar um conceito amplo, que ultrapassa a roupa: “Nossas coleções já têm, por si só, histórias a serem contadas, o que define bastante o resultado final das fotos e peças publicitárias. Durante o desenvolvimento surgem alguns insights e vamos deixando registrado para quando ‘rolar’ a campanha, já termos um enredo meio elaborado, que reflete o conceito da coleção“, explicou a estilista que também confessa fazer modificações até edição final, porque, segundo ela, sempre há algo novo que as inspira.

As dificuldades de atender ao novo homem

Sobre atender ao novo consumidor masculino oriundo da internet, Mell afirma que a preocupação é, a princípio, em desenvolver uma coleção que se destaque do comum visto no mercado (e, claro, a preços acessíveis, que faz o consumidor se sentir seguro antes de dar o clique final), e o resto é consequência de um trabalho bem feito com um único desejo: “ver nas ruas do Brasil homens mais bem vestidos, modernos e descolados que usem a moda para expressar seu próprio estilo. Queremos focar cada vez mais nesse público e conseguir decifrar seus desejos.”, conta a estilista que ainda está na 3ª coleção, mas que só reúnem elogios da crítica. Apesar de todo o conceitualismo, Mel e Cínthia afirmam que existem sim dificuldades de fazer moda masculina no Brasil, devido ao fato de que a cultura de moda ainda é incipiente no país, mas que já consegue ver uma mudança no fim do túnel – e torce para que isso aconteça rápido!

Inspire-se, não só nas roupas, mas em toda a identidade visual da marca (todas as imagens que ilustram este post fazem parte da atual coleção). Curta a fan page da Enkb, fique atendo aos próximos passos e aproveite que o site está todo em liquidação!






Escrito por Dhyogo Oliveira
Blogueiro e designer de moda. Também escreve no Sem Geração.