Garotos de Programa: Parte 3, entrevista com Megatron e Princesa Leia

Você já saiu ou conhece alguém que já tenha saído com um garoto de programa? Antes de escrever estes textos (parte 1 e parte 2), eu nunca havia conhecido ninguém que o tivesse feito. Mas depois de sair por aí perguntando, descobri que qualquer pessoa já pode ter tido uma experiência sexual como esta, seja rica, pobre, bonita, feia, religiosa, atéia, jovem, velha, homens héteros, gays ou mulheres.

Mas como um homem hétero (aquele realmente hétero e não os casados ou machões homofóbicos que fingem ser) pode sair com um garoto de programa? Contratando algum apenas para assísti-lo transar com a sua própria esposa ou namorada, afinal, existe todo tipo de fetiche. Para quem curte julgar, fique a vontade para escrever comentários dizendo o quanto isso é imoral, errado, mentira, coisa de corno e tudo mais ZzzzzZZZzzZzzz…. Pronto, vamos continuar!

Eu nunca saí com um garoto ou garota de programa, mas pelo simples fato de não sentir tesão por isso (olha eu aqui falando de novo sobre a minha vida pessoal), mas confesso que, entre devaneios, já pensei em me tornar um GP da mesma forma que também já quis ser astronauta, veja só que clichê! Os pontos “positivos” da primeira profissão: ganhar dinheiro transando com muitas pessoas, ter uma vida selvagem, maluca e que remeta as orgias dionisíacas. Os pontos positivos da segunda profissão: pisar na lua, viajar no espaço e conhecer novos planetas desbravando o universo na minha nave espacial. Mas é claro que nenhuma das duas profissões é assim tão fantasiosa, a realidade é bem diferente, como bem sabemos (ou imaginamos).

Fica aqui o meu gradecimento as duas pessoas que toparam me contar um pouco sobre as suas experiências com garotos de pograma. O primeiro é homem, gay, tem 33 anos e bem sucedido no meio da comunicação. Vamos chamá-lo de Megatron, afinal, a parte divertida em escolher nomes fictícios é fugir do óbvio.

– VOCÊ É INTERESSANTE E CONHECE PESSOAS QUE TAMBÉM APRESENTAM ESTE PERFIL. ISSO JÁ QUEBRA O PRÉ-CONCEITO QUE SÓ PAGA POR SEXO QUEM NÃO O CONSEGUE DE OUTRAS FORMAS. FALE UM POUCO SOBRE O PORQUE VOCÊ JÁ SAIU COM GAROTOS DE PROGRAMA.

MEGATRON: Todas as vezes em que eu sai com um GP eu já estava muito bêbado, tinha acabado de sair de alguma festa ou balada e nunca foi algo premeditado, do tipo “Ah, hoje vou transar com uma garoto de programa”. Simplesmente acontecia, chegava uma hora qualquer em que eu estava com muito tesão, sem paciência ou tempo de conquistar alguém, eu só queria gozar e pronto. Nunca entrei num site ou fui atrás de anúncios, sempre acabei pegando algum na rua mesmo.

As vezes o fato de ser alguém estranho ou desconhecido até excita, alguém que você não precise conversar ou ter uma relação depois, sem nenhum constrangimento de encontrá-lo no dia seguinte e ter que falar um “oi”. Também rola um pouco o fator do perigo, da aventura de colocar algum desconhecido dentro no seu carro… porque você escolhe como num mercado, é um produto que você ainda não sabe como vai funcionar. Eu até já brinquei com um e disse, “Nossa, comigo você teve sorte, porque eu te trato bem e tal… sou bonzinho”, porque imagino que nem todo mundo que pegue um GP seja assim, né!

– VOCÊ DISSE QUE JÁ “PEGOU” GAROTOS DE PROGRAMA NA RUA. ONDE ELES COSTUMAM FICAR?
MEGATRON: Tem os do Trianon, que quase todo mundo conhece. Estes são os mais “perigosos”, vamos dizer assim. Todas as vezes em que já fui assaltado, foi com algum de lá. No centro tem os mais “bonzinhos”, geralmente são os que acabaram de chegar em São Paulo e cobram, sei lá, 10 ou 30 reais por programa. É claro que existe de todos os tipos, os que ficam nos bares da região central, perto da rua Rego Freitas, uns que ficam ali em uma praça próxima da TV Cultura ou no Arouche. Tem sempre que tomar muito cuidado, o risco é algo presente em qualquer situação assim, de sexo pago com um desconhecido.

– O QUE JÁ LHE ACONTECEU DE MAIS INUSITADO AO VOCÊ SAIR COM UM GP?
MEGATRON: Como eu disse, já fui assaltado em várias vezes, do cara levar a minha carteira, o meu dinheiro ou até uma peça de roupa. A pior experiência foi quando um GP ficou rodando comigo por quase 3 horas pela cidade me obrigando a sacar dinheiro. Fiquei com muito medo quando ele ameaçou querer ir até a minha casa, porque na época eu morava com os meus pais, eu não sabia se ele estava armado ou não. Foram horas de horror, eu só queria que tudo aquilo terminasse logo… teve um momento em que ele ameaçou furar o meu olho com a própria chave do carro, acredito que ele estava drogado, sei lá. Algo menos traumático, mas que já aconteceu também, foi eu pegar chato. O risco de pegar alguma doença sempre existe, por sorte, no meu caso foi apenas chato.

– QUAIS DICAS VOCÊ DARIA PARA ALGUÉM QUE QUEIRA SAIR COM UM GP?
MEGATRON: Nunca fale que mora sozinho, prefira ir num motel, porque na entrada vocês já são obrigados a deixar um documento como garantia… e nunca o leve para a sua própria casa, é muito perigoso.

– E TEM ALGUM OUTRA COISA QUE VOCÊ QUEIRA CONTAR, SEI LÁ…
MEGATRON: Ah, tem sim… lembrei de uma coisa engraçada. Teve uma vez que eu estava dando voltas no Trianon de carro, o dia já estava quase amanhecendo e não tinha nenhum GP nas ruas. Em uma dessas voltas pelo quarteirão, reparei que tinha um outro carro fazendo o mesmo que eu. Aí a gente parou no farol e abaixamos os vidros… rolou aquela identificação, eu achei o cara super bonitinho e rolou da gente transar. Nem tivemos que pagar, afinal, éramos 2 “clientes” e o sexo ainda foi incrível, rs.

A segunda entrevista não chegou a ser uma conversa, foi com uma empresária solteira de 45 anos, mas que brincou dizendo ter cara de 38. Eu cheguei até o seu nome por uma indicação e ela topou falar sobre o assunto, desde que tudo rolasse via e-mail, com perguntas pré-enviadas e ela me retornaria com as respostas. Aqui, vamos chamá-la de Princesa Leia, veja o texto na íntegra.

– VOCÊ NÃO APARENTA TER DIFICULDADES EM CONSEGUIR SEXO, POR MOTIVOS ÓBVIOS. COMO DECIDIU QUE SAIRIA COM UM GAROTO DE PROGRAMA?
PRINCESA LEIA
: A primeira vez foi em 2000. Decidi porque estava cansada de todo o trabalho que dá sair a procura de um parceiro e, também, pelo trabalho que pode ser se desvencilhar dele depois. Tenho alguns amigos gays que conhecem garotos de programa, pedi uma indicação por tipo físico, quando um amigo  encontrou um parecido com minha descrição fez o approach, pegou o telefone, me passou e eu liguei para o rapaz. Combinei o primeiro encontro em local público e depois hotel.

– CONTE SOBRE ALGUMA EXPERIÊNCIA, RUIM OU BOA, QUE JÁ TENHA VIVENCIADO AO LADO DE UM MICHÊ.
PRINCESA LEIA: Nunca passei por nenhuma experiência ruim, graças a Deus. A melhor experiência foi quando ao me encontrar pessoalmente, o rapaz diminuiu o cachê em 50%. Ao me tornar cliente aceitou cheque e depois não cobrou mais, rs.

– QUAL A ÚLTIMA VEZ QUE SAIU COM UM GP?
PRINCESA LEIA: Não saio mais com gp’s, pelo menos por enquato. Mas é pelo simples fato de estar em um momento preguiça de sexo, seja pago ou free.

Jornalista e produtor de conteúdo. Veja mais no site eaiconteudo.com.br.
Post criado 98

28 comentários em “Garotos de Programa: Parte 3, entrevista com Megatron e Princesa Leia

  1. Parabéns!!! Adorei a iniciativa, a coragem e os textos (acompanhei desde o 1º). Imagino que fazer uma pauta diferente do que o site costuma oferecer não foi fácil. Obrigado por nos oferecer esta saga. Um abraço, Márcio Silva

  2. Assim, eu resolvi serguir os posts da página MPH por que gosto de moda e acho muito legal, por que sei lá, se de repente eu posso ter uma dúvida sobre que visual seria o mais legal para uma eventual reunião, entrevista, ou até mesmo para o dia a dia; entendo que a página trate também sobre comportamento, mas acredito que este tipo de reportagem seja mais adequado para outro tipo de jornalismo e não o jornalismo de moda, que era o que eu acreditava ser a proposta do MPH, que no próprio site diz: “Aquela velha história de que moda é somente de interesse feminino, ou mais radical ainda, no máximo para homossexuais – permitam a redundância – já está bem fora de moda.

    Ao longo do tempo os homens tem ficado cada vez mais interessados com cuidados visuais e estéticos – não é a toa que surgiu até o termo “metrossexual”. Do outro lado, os fabricantes de roupas, sapatos, acessórios e produtos de beleza acompanharam esse interesse. São linhas e mais linhas voltadas para o público masculino.

    Nomenclaturas a parte, este blog começa hoje com uma única missão: orientar os membros do sexo masculino, independente de sua orientação sexual, a deliciosa arte de se vestir.

    Já é cliche no meio fashion dizer que “a moda é democrática”, então, que seja para eles também.

    Abram as cabeças e os armários e fiquem a vontade para degustar nossas páginas.”

    Então definitivamente, não encontro relação nenhuma dessa reportagem em especial com a proposta apresentada pela própria página

  3. Gostei muito das entrevistas! Você conseguiu encerrar o tema com chave de ouro, principalmente ao colher as experiências negativas que o MEGATRON viveu com GPs. É mais seguro contrata- los por meio de sites específicos, como o eliteboys, reduzindo o risco de ser agredido ou assaltado.

    Outro problema ocorre quando o cliente contrata o mesmo GP várias vezes e desenvolve um sentimento mais forte por ele (paixão). Um GP profissional não o corresponderá, deixando- o frustrado. O uso de preservativos também é indispensável, afinal belas caras e corpos malhados podem esconder DSTs ( desconfiem de GPs que não ligam pra prevenção).

    Realmente, os moteis são os locais mais apropriados para a prestação de serviço. O fato de ser com alguém estranho ou desconhecido excita de verdade, até porque você jamais esquecerá e, se gostar, provavelmente irá repetir a dose.

    Parabéns pela coragem de expor algo tão inusitado para um blog sobre moda. Apesar de alguns terem achado inapropriado, achei útil para romper tabus e esclarecedor, para informar sobre tal PROFISSÃO e reduzir o preconceito. Se meu irmão me contasse que é “profissional do sexo” não o rejeitaria e nem sentiria vergonha dele por isso. Abraços, sucesso ao blog!

  4. Parabéns novamente pela continuação, isso nos dá uma visão clara da vida desses personagens “ocultos” na sociedade. E mostra que nem tudo é um mar de rosa como em alguns filmes.

  5. Parabéns, Gulherme e Felipe! Que iniciativa estrondosa de vocês. Muito legal. O texto foi de uma classe AAAA. Matou a curiosidade e ainda mostrou um pouco desse mundo (saiu um pouco do clichê..Mimimimi). D+!

  6. um vez na caixa da verdade do facebook, recebi uma mensagem: “Quer quanto pra dormir comigo, ou nem dormir e fazer sexo?” eu perguntei oq vc qer? e ele respondeu : “eu sou atv” aí eu respondi, vou querer mt dinheiro deixa pra la. ele enviou” faz seu preço”. e eu respondi: qanto vc está disposto a pagar. e ele respondeu “FAZ SEU PREÇO!” e eu enviei : “_R$ 250,00 “. então ele me perguntou : “tem como vc vir pro Brooklyn?”

  7. Parabéns pelas matérias, achei super fieis a realidade… Conheço muitos garotos de programas, inclusive alguns são amigos íntimos meus e sei como é a vida nesse ramo de trabalho…

    Adorei a matéria, novamente parabéns…

  8. Adorei a reportagem, excelente senso investigativo e de vez enquando é bom abordar temas polêmicos feito esse que na verdade fazem parte do nosso cotidiano.

    Sem contar que muita das vezes a carência pode vir a interferir na escolha dessa “profissão” na forma de uma válvula de escape para conhecer novas pessoas e ainda “ganhar” uma graninha fazendo o que se “gosta”.
    Ta certo que muitas das vezes o “contratante” e “contratado” podem estar vindo a por a vida em risco, até porque ninguém quer ver seu dinheiro jogado fora como também chega um momento em que ninguém quer ser tratado como um produto.

    Parabéns mais uma vez e repitam mais reportagens feito essas!

  9. No mínimo interessante. Uma das profissões mais antigas do mundo e que por muitos é conhecida apenas superficialmente. Gostei bastante de todas as partes da reportagem e acho válido a iniciativa de falar de um tema diferente no blog.

  10. Parabéns Felippe!
    Adorei a sua história e a coragem de correr atras de tudo isso para a matéria. Muito bom mesmo, temas relacionados a prazer e etc sempre nos da muita curiosidade. Ainda mais pra saber o “outro lado” da história…

  11. Emocionante a saga GP, depoimentos veridicos, muito bom mesmo. PARABENS. E assim vamos vendo quantos Rafaéis e Quantos Megatrons existem pelo nosso Brasil afora.

  12. Sinceramente eu quase nunca comento nenhum tipo de publicação. Mas essa é merecedora de um IMENSO Parabéns! Também pelo texto mas… mais pelo escritor. O texto ficou muito interessante, conseguiu manter a curiosidade para se ler mais, fez alertas e ainda ressaltou minhas reflexões, sobre pessoas que existem são pouco notadas e quando, são criticadas. Essa leitura encantou ainda mais meu fascínio por pessoas e suas histórias. E pensar que isso são vidas que em rascunhos viram histórias… E mais encantador ainda foi saber que ainda existem pessoas como Felippe Canale, que notam e correm atras das coisas que geralmente a sociedade acha desnecessário .
    Abraços.

  13. Achei ousado. Instigante. E incrível. Uma coisa que eu aprendi com a faculdade de jornalismo (e as experiências ao decorrer e pós curso) é que o bloquinho e a caneta serão nossos maiores aliados SEMPRE. Mesmo em eras de tecnologia como a que vivemos. E principalmente: as paredes dessa cidade escondem coisas que a gente sequer imagina.

    Por isso que conhecer histórias e colecioná-las é um dos meus maiores hobbys! O assunto é delicado, mas o desconhecido fascina e prende. Não iria conseguir esperar para ler o final.

    Parabéns, o blog cresceu MUITO no meu conceito, rs

    Um abração!

  14. gostei muito da materia, umas das tarefas mais desafiantes do ser humano nos ultimos tempos é entender, conceber nossa imoralidade, ou amoralidade. Herdamos culturalmente por todos os canais de midia começando pelos nossos proprios pais a moral inventada e mentirosa, a falsa moral… que nao deixa ascessarmos nossos poderes, nosso ser em essencia, nossa escuridao. Parte do que somos esta nessa imoralidade, nosso estado bruto de ser humano… investigar sobre isso em nos é basal para saber quem se é…. por isso parabenizo pelo estimulo que a materia oferece a todos os leitores…. abraço ale marques, assumidamente alma imoral em minha totalidade de ser humano!

  15. Muito boa a matéria, diferiu de inúmeras já realizadas, principalmente pelo fato de teres ouvido não só os ¨GPs¨, mas também os supostos clientes…. Parabéns!

  16. adorei a matria, já cheguei a sair com outras pessoas em troca de dinheiro, e realmente nem sempre saímos com pessoas bonitas e etc. Mas isso varia muito, as vezes tinha vontade de chorrar por ter aceito sair com uma tal pessoas, mas depois de aceitar não queria dizer não, então acabava rolando. mas é isso ai adorei por você ter feito uma matéria sobre esse assunto que é muito polemico atualmente. abcs

  17. MORRO DE VONTADE DE TRANSAR COM UM GP!!!
    Tenho uma amiga que já saiu com um garoto de programa e adorou, disse que foi o melhor sexo da vida dela!!!
    No momento estou namorando, mas um dia, quem sabe!! :-D

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo
Coisas que são CRINGE segundo a Geração Z OS MELHORES BARBEADORES ELÉTRICOS COMO USAR BOINA MASCULINA COMO USAR CALÇA DE ALFAIATARIA MELZINHO DO AMOR: A VERDADE!