Um pouco sobre o mercado de trabalho e faculdades de moda

Frequentemente, muitas pessoas que acompanham minhas postagens me perguntam nas redes sociais sobre a faculdade de moda: fazer ou não fazer?! Pois bem, eu entrei na faculdade em 2010 e me formei em 2012. E nunca ninguém se preocupou em abrir meus olhos para a verdadeira situação de um curso de moda x situação do mercado de trabalho atual. Inspirado na notícia que tive o desprazer de ler há tempos sobre a sobrinha da Gisele Bundchen, Duda, que assinou a sua primeira coleção com apenas 5 anos de idade, escrevi esse post para tentar ajudar alguns que ainda têm dúvida sobre o curso.

Existe um largo caminho e uma grande diferença da vida acadêmica e do meio profissional nesta área. Tá certo que o curso de moda no Brasil é bem novo (as primeiras escolas de moda chegaram aqui na década de 1980) e que este pré-conceito da moda na universidade é um assunto difícil até mesmos para os docentes que estão à frente do curso, e tudo isso complica ainda mais a adequação da faculdade à vida real. Antes de escolher qualquer escola de moda, pesquise bem sobre qual foco você quer dar a sua carreira. Deparei-me ao longo do curso com colegas de turma com objetivos muito distintos uns dos outros. Sempre tinha um que queria ser modelista, outro era mais focado na parte de marketing, negócios, outros apenas sabiam desenhar e muitos outros (ou talvez a maioria deles) se matriculavam na faculdade de moda apenas porque eram consumistas. É, minha gente… O fato é que a escola que escolhi para me profissionalizar era um curso de Design de Moda, e na verdade não focava em nada. Então, muitos colegas de turma acabavam desistindo no meio do curso.

O corpo docente tem a grande ilusão de estarem formando estilistas belgas (para quem não sabe, são os mais criativos do mundo) e acham isso apenas por uma questão de egos, mas não dão nenhuma estrutura pra isso. Roupas para bonecas, desenhos aleatórios e grandes gastos são alguns dos trabalhos que são pedidos aos alunos. Certa vez ouvi de uma professora que “nosso curso está no mesmo nível que a faculdade de Antuérpia” e, por meses, eu acreditei. Mas não, nenhuma universidade no Brasil pode ser comparada com nenhuma estrangeira, até porque a moda que é feita lá fora é extremamente conceitual, muito diferente da realidade do nosso país. E esse é o ponto. No geral, os cursos de moda são contos de fadas, que quando você chega ao último capítulo descobre que aquela história de finais felizes só funciona mesmo para ficar guardadas na estante, junto com outros livros velhos. A realidade aqui é outra.

O que os alguns professores deviam passar para seus alunos e o que muitos alunos deviam entender é que a história da moda foi escrita por costureiros, modelistas e, atualmente, maketeiros e compradores. É só olhar para a história e ver que Chanel era costureira, Grès era costureira, Vionnet era costureira e Dior era modelista, só para se ter uma ideia. Então, se a sua intenção é ser realmente ser um estilista de sucesso, comece costurando e modelando, pelo menos, 4 horas por dia. Porque nada adianta você criar uma coleção incrível no papel se mal sabe como aquela roupa vai entrar nas pessoas.

Outro ponto é que, no mercado de moda nacional, estilista é um profissional demodê, ultrapassado e em extinção. Porque vocês acham que Reinaldo Lourenço vai parar em móveis, esmaltes e relógios e Alexandre Herchcovitch acaba nas prateleiras dos mercados estampando copos de requeijão, capas de celulares e descansos de copo?! Porque a moda está democrática? Não, é simplesmente porque o business vem acima de qualquer processo criativo, e antes de você criar qualquer coleção que seja, primeiramente alguém vai te dizer quantos rolos de tecidos foram encalhados da coleção passada, quantos poucos reais você tem para gastar e quais os tecidos chineses 100% poliéster você vai poder usar. (HÁ!) Alguém vai precisar falar com os fornecedores, cobrar prazos, chorar preços, conquistar clientes do atacado… E esse alguém não vai ser o estilista, sabe por quêPorque não é isso que ensinam na faculdade de Design.

E é exatamente esse o profissional que está em falta no Brasil, o comprador de moda. Além das costureiras e modelistas, é claro. E é nessas horas que eu me lembro das aulas de materiais têxteis e me arrependo de não ter dado a devida atenção para o que o professor ensinava, pois achava tudo muito chato e que nada aquilo tinha a ver comigo, preferindo outras aulas mais criativas e proporcionalmente irreais. E essas coisas todas eu só aprendi quando saí da sala de aula para procurar trabalho. Estão todos (professores e alunos) pouco se importando como está a situação da moda ano Brasil e o mercado de trabalho. Estão preocupados mesmo em ensinar algo que deixem o ego cheio e matricular no curso porque “tá na moda fazer moda”. Resultado? Abandonos recorrentes, profissionais desqualificados, frustrados e ajudando a construir uma imagem cada vez pior do profissional de moda. E os pouco que vão até o fim e se formam, acabam nos balcões das lojas de varejos ou trabalhando como assistente de estilo por R$900.

Os problemas são muitos e estão por toda parte. Eu sou um designer formado que trabalhei por quase 3 anos com pesquisa de tendências têxteis e desenvolvimento de produto, e larguei para me dedicar a outras áreas, mas preocupado com o campo em que atuo, e acho que basta cada um fazer a sua parte para que algo possa tentar ser mudado. A forma que eu tenho é de alertar quem ainda está na dúvida do que cursar.

Bairro do Brás-SP, considerado o maior centro de confecção do país, fatura R$ 12 bilhões por ano.

Mas se você quer trabalhar com moda, e seu negócio é realmente esse (como eu), há diversas formas de se fazer isso sem bater com a porta na cara depois de formado.

Querem ser jornalistas de moda?! Cursem jornalismo, ele vai te dar uma base de escrita muito boa e a moda você estura por fora, e depois pode fazer um pós graduação na área.

Quer ser designer?! Curse desenho industrial, arquitetura, design gráfico, qualquer curso que amplie sua visão sobre o design. A moda é só um deles.

Quer ser modelista?! Existe um curso muito bom em produção de vestuário, entre outros. Além disso, uma dica primordial: trabalhe.

Quer ser figurinista?! Há ótimos cursos e oficinas de idumentária. Entre em companhias de teatro para montar figurinos, escolas de samba (elas dão uma grana surreal) e, sobretudo, estude história.

Quer ser produtor de moda?! Corre atrás e não espere um retorno financeiro imediato. Faça seu nome, faça seus contatos, colecione imagens, se ofereça para ser assistente.

Quer ser consultores de moda?! Façam isso no final da vida, depois de viver todas as experiências possíveis. Para ser consultor de alguém ou de alguma empresa, vocês precisam ter experiências de décadas para isso.

Espero ter esclarecido as dúvidas de alguns e aberto os olhos de outros para a real situação do mercado de moda atual. Eu seria imensamente agradecido -e revoltado- se alguém tivesse me dito isso quando ingressei na faculdade.

Blogueiro e designer de moda. Também escreve no Sem Geração.
Post criado 142

42 comentários em “Um pouco sobre o mercado de trabalho e faculdades de moda

  1. falou tudo! passo por isso frequentemente e obvio que trabalho no varejo e sou extremamente frustrada, me formei em design de moda… e na hora de executar meu desenho não sabia nem fazer um molde quanto mais costurar! parabéns ótimo post!

  2. Nossa, me identifiquei tanto com seu texto. Comigo aconteceu o mesmo eu só aprendi realmente quando saí da sala de aula para procurar trabalho. Espero q esse curso venha a a ter melhorias p assim futuramente ser mais valorizado no mercado de trabalho.

  3. Texto ótimo! eu ainda tento me encontrar no mercado da moda…trabalho em uma marca conhecida, depois de viver 4 anos trabalhando no nicho brás/bom retiro. mas ainda não me encontrei 100%. eu quero evoluir mais, fazer mais. amo trabalhar com pesquisas de comportamento e tendências de moda, mas não sei oq fazer para me especializar nesta parte e nem o tipo de profissão onde trabalhe com isso….algum conselho, autor do post?

  4. Eu sou modelista de uma escola de curso técnico, e sempre que começo um novo curso, falo exatamente o que comentou em seu texto, hoje aqui no Brasil , quem faz faculdade de moda somente é para se ter o glamour de dizer “sou estilista”. Pois a realidade é bem outra, tenho alunos que saem da faculdade sem saber a diferença entre centímetros ou milímetros, não tem a menor ideia de como se passa linha em uma máquina de costura e por ai vai. Realmente é uma dó ver o dinheiro investido e no final não ser ter o retorno esperado. Parabéns

  5. Achei muito interessante o seu texto, você alertou as pessoas interessadas nesse curso a antes botar o pé no chão e entender como aa coisas realmente funcionam. Eu faço design de moda na UEL (Universidade Estadual de Londrina), não sei se você já ouviu falar desse curso ou não, mas ele é muito focado no mercado então os professores fazem com que você entenda a situação lá fora antes de sair do curso. Eu mesma era uma sonhadora. Dá uma olhada nesse curso, nas materias etc… eu não me arrependo de ter entrado nele e sei que estou saindo outra pessoa.

  6. Olha sensacional o texto, meus parabéns! Sou formado a 3 anos e atuo na área de moda noiva desde 2005 e até hoje sofro na área, principalmente por ser discriminado pelos outros profissionais e empresas por ter trabalhado com noivas como se isso fosse um pecado. me formei pensando em sair da área de noivas e festas e partir p um mercado mais competitivo e abrangente, entretanto, me vejo forçado pelo mercado a fazer e viver sempre o mesmo. Frustante de desolador essa situação, amigas e colegas de faculdade que sofriam o mesmo simplesmente abandonaram o país em busca de novas oportunidades na Europa, devido exatamente a esse vacuo e descaso com a moda nacional.

  7. Excelente post! Temos excelentes profissionais de moda, falo com conhecimento do polo têxtil catarinense. Mas ainda na indústria da moda, o que nos falta é valorizar a mão de obra da costureira e da modelista. Uma boa modelista não é fácil de achar, costura é uma arte perdida.

  8. Muitíssimo obrigada pelas sinceras palavras, bem verdade que ao iniciar o curso em Design de moda tinha uma visão fantasiosa mesmo mantendo meus pés no chão. É fato que os educadores da área não nos mostram as claras a verdade nua e crua, o que no final acaba nos frustrando ainda mais. Ainda não tenho uma segurança em definir qual caminho seguir na área, por isso estou deslocada; Mais sabendo que mesmo optando em algo que goste vou travar uma grande batalha.

  9. Respeito sua opinião, porém, discordo. Você fala das universidades como se elas fossem lugar para formação de profissionais que o mercado necessita, no entanto, o papel da universidade não é este.
    O papel da universidade é formar cidadãos capacitados e especialmente conscientes do mercado de moda, antes de atender a um mercado fracassado é necessário construir sujeitos criativos para criarem seus próprios meios de sobrevivência nesse mercado. Outra coisa, quem entra na faculdade de moda por que é consumista, com certeza deve desistir, assim como qualquer aluno que entra num curso pelo qual não se identifica.

    1. concordo plenamente c suas palavras. o estudante que realmente quer moda vê além e não se contenta com o que possui. a universidade abre caminhos, grandes oportunidades. e cabe a nós seguirmos em frente…

  10. Eu acreditei fielmente, do meio do ano passado até hoje, que o problema era comigo, era eu.
    Obrigada por enxugar minhas lágrimas, pois não estava mais aguentando pensar o quão péssima profissional eu era por sair da faculdade sem saber nada….

  11. Sou estudante do segundo ano de Moda (Habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto) da UEM (Universidade Estadual de Maringá) e os professores deixam bem claro para todos a situação do mercado, e eles ensinam todas as etapas de tudo e como deve ser feito. Eu escolhi moda porque pesquisei a realidade do mercado, e foi isso que me deu mais vontade a querer cursar moda. Estou super satisfeito com o grade curricular do meu curso, e os professores são excelentes e realistas!

  12. Excelente texto, foi enviado para mim por uma amiga da faculdade, realmente vc falou tudo, sou recém formada por uma faculdade que só me ensinou glamour, não aquilo que o mercado realmente necessita,

  13. Eu me formei em Tecnologia em Moda e Estilo em 2007 e hj faço Pós Graduação- Moda: Gestão e Marketing.
    Mas antes de tudo eu já trabalhava na área, era costureira.
    E claro nossos cursos com certeza nem se comparam aos Europeus.
    Mas temos q ir a luta, estudar muito e trabalhar muiiiito!!!!
    Moda não é só Glamour, principalmente em tempos de Fast Fashion!!!
    E tem que gostar, amar!!

  14. Cara vc me iluminou agora, tenho 19 anos, desenho desde que me entendo por gente, desenho moda desde a primeira vez que vi um desfile de alta- costura no jornal de tv, amo moda desde a primeira vez que li um pouco sobre chanel na internet mesmo, tive o desprazer de uma experiência como auxiliar numa empresa, foi ruim e maravilhoso ao mesmo tempo, a realidade que choca e que vc só teve depois da faculdade pelo que li, nunca me interessei em estudar moda, e quando estava começando a pensar numa universidade pra minha vida leio estas palavras e pá… já desisti, prefiro aprender a costurar, modelar e estudar artes, creio que todos os grandes estilistas foram na verdade grandes artistas, costuraram sonhos nos seus tecidos, desejos… Arte me encanta mais que moda, e moda feita com arte é a perfeição humana, ótimo texto…

  15. Onde voce fez sua faculdade? na anhembilixo? na faap só para patricinhas? na belas artes facil? Antes de criticar os cursos de moda no Brasil, te oriento que experimente as 12 materias bimestrais da FASM, que te ensinam desde tudo sobre aviamentos e tecidos, construçao de peças, fotografia, costura e modelagem, e muito mas muito desenvolvimento de coleção, saindo com administração, marketing e estratégia. Tirando todo o curso de desenho com 2 pontos de fuga que até arquiteto não sabe fazer e historia da moda e da arte com o melhor professor que se pode ter: João Braga. Da fasm saem os melhores profissionais que eu tenho conhecimento, são pessoas fantásticas… agora tenho em mente diversos amigos que estao em marcas muito boas e até desfilando permanentemente na casa de criadores. Então não, se voce fez uma pessima escolha de curso, ou nao nasceu pra isso nao precisa vir falar que nao vale a pena, pq tenho pra mim que foi a melhor escolha que ja fiz e posso comprovar.

  16. Olá

    Achei o texto interessante e estava fazendo uma pesquisa sobre o mercado da moda porque queria entender um pouco deste mercado. Dhyogo sou Biomédica formada 27 anos, faculdade nenhuma forma profissionais totalmente capacitados para o mercado de trabalho tampouco a que cursei, o papel da universidade e o desenvolvimento das capacidades superiores do pensamento da criação a ação e ajudar a desenvolver estas capacidades. Meu exemplo é claro saí da faculdade fiz especialização em um segmento e trabalho completamente em outro e feliz, mas dentro da minha área de Biomedicina. Comecei cedo já na faculdade fazendo estágios, pesquisei segmentos de futuro para minha carreira, falo 03 idiomas, me especializei, comecei lavando vidraria em um laboratório e hj sou Vice-Presidente de uma empresa, nada é fácil mas com dedicação amor e perseverança os que realmente vão a lutam se destacam entre muitos e constroem uma carreira de sucesso. Abraço e sorte a todos.

  17. Parabéns pelo post, pelas dicas, realmente achei tudo de grande ajuda. estou no segundo período do curso de moda, sempre desenhei, gostei da área, minha mãe é costureira e sempre tive incentivo pra entrar na área, mas sempre tive também a visão que você descreveu muito bem do mercado. Vou anotar tudo, principalmente o fechamento do seu post para cada tipo de profissional da área, pois ainda não decidi a especialização que farei. De qualquer forma obrigado! Por isso que acompanho o blog. Muito bom em tudo.

  18. Adorei o texto, me acordou pra vida, estou fazendo modelismo no Senac, mas é visível que a professora não sabe nada, não ensina como adaptar as medidas padrão e o restante do conteúdo então…..é uma profissional totalmente despreparada formada em designer de modas pela feevale aqui do RS, mas agora sei que não depende dela meu sucesso ou fracasso mas de mim mesma……

  19. “Alguém vai precisar falar com os fornecedores, cobrar prazos, chorar preços, conquistar clientes do atacado… E esse alguém não vai ser o estilista, sabe por quê? Porque não é isso que ensinam na faculdade de Design.”

    é exatamente nessa área que quero atuar! Mas não sei se continuo na Engenharia de Produção (que já estou quase me formando e faço uma especialização depois) ou procuro algo mais especifico. E agora?

  20. Fiquei fascinada com teu texto sempre quis passar isso para as pessoas que passaram por meus ensinamentos sou instrutora de modelagem e costura,tenho 30 anos de profissões me formei na faculdade da vida leio muito procuro tudo ligado ao meu trabalho faço roupas de festa,alto esporte tudo que aparece não gosto de trabalhar com tecidos de malha ou modinhas tenho otimo acabamento,modelo uma peça corto faço a peça piloto costuro,já ministrei aula de corte e costura no SENAC,SENAI,e outra Escola particular da minha cidade para obter a tecnica fiz qualificações no SENAI,tenho orgulho de ter muito profissionais no mercado de trabalho a pratica é o interesse é o que vale la fora tecnica é muito bonito e necessaria mas o sempre me preocupou é a capacidade e percistencia do proficional que eu largava no mercado de trabalho,tive alunas formada em Moda que não conseguiam fazer um molde basico,tirar um medida nunca ouviram falar do fio do tecido,qual inportancia disso no corte e confecção duma peça,por isso seu texto disse tudo que eu gostaria de falar PARABENS,bom vou deixar registrada minha minha grande decepição pois fui impedida de continuar encinando o que sei fazer porque não tenho um diploma de curso TECNICO e tudo que sei fazer não tem numa sala de faculdade,esse desabafo com certeza vai me fazer muito bem,que DEUS ilumine sempre seus caminhos e continue escrevendo.

  21. Concordo em partes e descordo em partes também…Não pode generalizar que todos os cursos de moda, são “vazios”. Algumas pessoas realmente entram nas faculdades de moda, achando que sairão com o diploma embaixo do braço e logo se assentarão numa cadeira de veludo em formato de coração. O curso de Design de Moda pela qual me formei, nos ensinou que antes de chegar aos holofotes, precisamos ralar muito. É claro que existem alunos e alunos e se queremos chegar ao roll da fama, não podemos deixar tudo a cargo das faculdades,temos que fazer a nossa parte também. A questão de alguns estilistas estarem atuando em outras áreas, não vejo isso pelo motivo da profissão estar defasada, mas sim que nossos profissionais são tão criativos que são convidados a atuarem em outros campos. Sinceramente ??? Façam sim, faculdade sim, pesquisem qual a melhor faculdade a se matricularem ( o MEC, já faz essa avaliação) e lembrem-se que o mercado da moda vai muito além de belos desenhos, ele é bem amplo…

  22. Nossaaaaa!!!!

    Eu vejo as estilistas da Sawary, Byzance, Lemier, Biotipo… Deslumbraaaarem por aqui no Brás, de carros importados, morando em ap’s de luxo (dizem que moram ne?!), tem uma até de uma dessas marcas, que chega a ser ridícula, de tanto que menospreza as pessoas por ser estilista, enfim…

    Sempre achei mesmo glamuroso, e estava até pensando em fazer um curso tec. no SENAC, pois gosto de moda (muiiito), mas parece muito difícil, na idade que já tenho 35 anos, sem experiencia na area, pq sou da parte ADM da empresa, vejo aqui no Bras o que maiiiis tem são meninas em buca de vagas de AUX de estilo, ASS. de estilo, para ganharem pouquíssimo… Acredito que mal da para pagar o curso…
    O que escuto por aqui nos corredores e que as estilistas dessas empresas acima ganham em torno de 10.000,00 mensais ou até maaais, isso é verdade?
    Tanta coisa passa na minha cabeça e acabo ficando confusa, se invisto na minha área, se tento moda, enfim, alguém pode me responder?

    Grata.

  23. discordo completamente desse post. nao se pode generalizar os cursos. fiz uma excelente faculdade (Design de Moda UFC) e aprendi tudo mesmo dentro da área de moda. tive excelentes professores e aqueles q nao se identificaram foram buscando outros caminhos. isso é normal. E os que seguiram em frente tiveram estágios, foram empregados, seguiram c suas vidas. Outro ponto: estilista compra sim tecidos, aviamentos, recebe fornecedores, faz tudo q um comprador faz. isso eu não aprendi na faculdade, mas quem disse q precisei? A prática em empresas mostraram o caminho. E não foi nada difícil. Pelo contrário, num primeiro estágio eu já conhecia toda a cadeia têxtil e graças a ele sou muito feliz c essa profissão. Ela me realizou sonhos q talvez em outras profissões não fossem possíveis ou tão fáceis de se realizar…Querem trabalhar c moda? Eu tb sei pesquisar, modelar, fazer figurino, design gráfico, produção de moda, consultoria…eu sou ESTILISTA e foi essa profissão que me tornou capaz de fazer tudo isso. Hj, estudo Business de Moda exatamente pq o mercado necessita, mas não culpo a universidade por isso. São mudanças, tendências que vamos nos adaptando e nos aprimorando. E se tem uma coisa que minha faculdade não foi, foi um contos de fadas…

  24. Se você está em dúvida sobre fazer moda, acompanhe o blog tudoconceitual.blogspot.com . Lá dá pra acompanhar cadeiras que estão sendo cursadas, as que já foram cursadas e dicas sobre o assunto. Dá uma olhada!

Deixe uma resposta para Beatriz Meotte Fontes Soares Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo
A importância do Setembro Amarelo O Pop-Punk está voltando à moda! PEÇAS QUE AS MULHERES ODEIAM NOS HOMENS Old Money: A estética ‘Rico Vintage’ Truques de estilo para homens gordinhos