Nosso assunto hoje é VEGETARIANISMO. Por certo uma parte dos blogueiros são adeptos a esse estilo de vida. Muitos tem curiosidade em saber e outros pensam em tornar-se.

Não irei falar nem bem, nem mal desse estilo. A questão é bem complexa, como alguns assuntos já tratados aqui, e polêmico. Irei falar do ponto de vista nutricional.

Antes alguns conceitos para não nos perdermos.
Vegetarianismo é um regime alimentar baseado fundamentalmente em alimentos de origem vegetal. Os vegetarianos excluem da sua dieta carne, bem como alimentos derivados (ex., gelatina feita com base em ossos animais). Além dos vegetarianos natos, que essencialmente ingerem só vegetais existem as exceções classificados como: Ovo-lácto-vegetarianos, aqueles que se permitem consumir também ovos e leite;
Lácto-vegetarianos, aqueles que se permitem consumir leite e lacticínios;
Os vegans excluem todos os produtos de origem animal não só da sua dieta como de tudo o que consomem, incluindo cosméticos, vestuário e calçado, entre outros produtos;

Os vegetarianos estritos excluem da sua alimentação todo e qualquer alimento de origem animal, ou com ingredientes de origem animal. O nome vegetariano não origina da base da alimentação vegetal, mas da expressão latina “vegetus”, que significa “forte”, “vigoroso”, “saudável”. A União Vegetariana Internacional define vegetarianismo como “a prática de não comer carne, aves, peixes ou seus subprodutos, com ou sem uso de laticínios e ovos.”

Do ponto de vista nutricional os adeptos da dieta do grupo vegetariano puro correm um risco real de subnutrição crônica, uma vez que alguns aminoácidos essências, são encontrados em baixo teor nos vegetais. Estudos mostram que os aminoácidos são como “pilastras” sustentadoras do tecido proteico, fundamentais para o bom funcionamento do organismo humano tanto do ponto de vista físico quanto do imunológico, indispensáveis para a defesa contra os agentes patogênicos externos (germes, vírus, substâncias tóxicas). Por isso quem segue esse estilo de vida necessita uma combinação dos vegetais entre si ou deles com fontes de origem animal.

Sem os produtos derivados do leite a pessoa fica sujeita à osteoporose, pela falta significativa de cálcio e vitamina D. Isso porque o cálcio que existe em alguns vegetais é inativo à presença dos oxalatos, dos quais os vegetais são ricos, e das fibras, abundantes nos cereais não refinados. 
Vale ressaltar também que os vegetarianos puros facilmente correm o risco de ter anemia megaloblástica, em consequência da carência de vitamina B12, presente exclusivamente nos alimentos de origem animal. Os vegetarianos que seguem a dieta radical só com vegetais muitas vezes podem necessitar de um suplemento de aminoácidos “essências”.

Excluindo os veganos e os vegetarianos puros as outras duas dietas podem ser adotadas com benefícios para a saúde. Orientando que os praticantes da dieta Ovo-lácto-vegetarianos devem ter uma alimentação bastante equilibrada.
Os benefícios de seguir essas dietas corretamente são reduções do número de diabéticos, de doentes de câncer de mama e de Cólon, de cardiopatias e de portadores de cálculos na vesícula biliar.

Mas defendemos que o melhor é aderir a uma dieta devidamente balanceada, que contém proteínas de origem animal e vegetal, carboidratos e lipídios. E procurar sempre orientação especializada em nutrição.






Escrito por Ricardo Freire