Fui ao SWU a convite de Samantha Shiraishi (blog A Vida como a Vida Quer) para cobrir o Fórum de Sustentabilidade e acabei cobrindo uma pauta interessante que diz respeito a nós do Moda Para Homens, com um convidado mais que adorado por mim e pelo Brasil. Oskar Metsavaht – Estilista e criador da Osklen.

No panorama sobre “Inclusão e bem estar social para além de fronteiras culturais e econômicas” em um painel romântico assim definido pelos próprios painelistas. Acompanhado de Lais Bondansky (Projeto Cine Tela Brasil), Gilberto Dimenstien (Catraca Livre) e Rigoberta Menchú (Prêmio Nobel da Paz e atual candidata para a presidencia da Guatemala).

Nem todos sabem do histórico de Oskar (ex-médico) que começou seu trabalho de estilista fazendo roupas de neve para amigos que viviam no Rio de Janeiro, assim nasceu a Osklen, que além de uma marca de moda é também sinônimo de design/sustentabilidade bem sucedida no Brasil e no Mundo.

Junto com a marca, o estilista criou uma cadeia de projetos e (definido por ele como algo além do sustentável),

o Instituto e responsável pela promoção da vocação do Brasil como “país do desenvolvimento sustentável”, visando sensibilizar e conferir visibilidade a temas, projetos e parceiros envolvidos com o desenvolvimento social, ambiental, cultural e econômico, atuando nas esferas da educação, do empoderamento e da mobilização social.

e-fabrics projeto cuja missão é contribuir na constituição de um tripé de sucesso para a moda brasileira pelo mundo, associando à sua sensualidade e criatividade, o valor de suas principais riquezas e singularidades: a biodiversidade as tradições culturais do país.

E um prêmio e – esse que em 2012 dará a valorização para instituições que realizam trabalhos relevantes na área. Todos os trabalhos de Oskar tem apoio da Unesco através para padronização de regras da organização seja na captação, profissionalização de mão de obra em comunidades indigenas ou projetos sociais.

Dentro dessa cadeia de projetos, a Osklen teve seu reconhecimento no mundo por desenvolver um processo eco sustentável de produção de peças dentro dos valores observados por Oskar no novo luxo, que segundo o próprio, traz origem da palavra grega Ethos levando a Ética = Estética = Design = Luxo.

Cadeia essa que foi reconhecida internacionalmente pelo WWF nos anos 2000, o estilista também ressaltou sua visão sobre um mercado de ofertas e valores nobres, onde o Brasil traz riquezas nos commodities (mineiro e agricultura), mas sem um processo de exploração adequado, deixando assim problemas culturais e visões distorcidas sobre um LUXO que pode ser visto como esnobe por alguns.

Oskar ainda ressaltou todos os fatores chaves para um produto de LUXO, seja ele em uma cadeia sustentável como o da Osklen, começando na extração do produto, dentro de um lifestyle de desejo, sendo original e de qualidade internacional para competir com mercados estrangeiros.

Outra vertente que o estilista questiona seriamente é o politicamente correto, e disse que o Protocolo de Kyoto foi o responsável por abrir os olhos do Brasil para a importância da sustentabilidade e dos eco-chatos, como ele mesmo se auto denominava contra os opositores de suas causas e desinteressados por assuntos tão relevantes e discutidos no SWU.

O novo LUXO segundo ele é voltado para os valores que aquele produto ou serviço entrega, e pode ou não estar relacionado ao alto valor aquisitivo ao ser pago, lembrando que existe toda uma estrutura de extração, desenvolvimento e entrega do próprio.

Esse post pertence a cobertura do #AVidaQuer. Acompanhe o Fórum Global de Sustentabilidade conosco!

#avidaquerNoSWU






Escrito por Fabio Allves
Paulistano nascido e criado, publicitário na formação, blogueiro de lifestyle e RP de vida. 30 anos de viagens, paixões, inspirações, realizações e conquistas. Podem me achar no facebook, twitter, instagram e snapchat por @fabioallves.