Nesta semana, após um longo período sem conversar com dois brothers, saimos pra tomar uma cerveja. Papo vai, cerveja vem, rolou a comemoração de promoção de um, debate sobre show que o outro foi… Um deles respira com ansiedade e fala: Cara, li um lance deprimente na Men’s Health deste mês. Uma reportagem mostra que a mulherada tá traindo tanto quanto, ou mais, do que nós.

Comprei a revista, li a reportagem com calma (apesar de nem precisar porque meu amigo lembrava até as porcentagens de mulheres que traiam e por quais razões) e embora tenha um que apocaliptico, eu num acesso otimista, acredito que a coisa ainda tenha solução.

O clima pesou na mesa. Rolou um loooongo gole na cerveja para reflexão e como eu era o mais velho, ataquei de Mr. Myiagi. Sim, de antemão, muita mulher vê caras corretos como trouxas. Mas muito cara vê meninas certinhas como enroladas também. É preciso quebrar dois tabus:

1) As mulheres traem ou apenas assumem mais, hoje em dia? A gente acha que uma porcentagem mínima de mulheres da época dos nossos avós traía, mas chegue discretamente pra trocar uma idéia com seu avô gente boa e perceba que a coisa não era tão diferentes assim. A gente só tem mais recurso pra descobrir e elas mais espaço para assumir a traição ou se divorciar.

2) O que grandes casais, que deram certo, tem em comum? Parceria! Em geral, casais que estão juntos há bastante tempo tem um projeto de vida comum e mantém em alta amor, teasão e respeito um pelo outro, considerando todas as diferenças.

Pra mim, o grande segredo, atualmente, é descobrir mulheres parceiras. Isto significa optar por estar com alguém, simplesmente porque gosta dele, do seu projeto de vida e querer crescer com ambos. Acredite amigo, recebi de um brother mais velho um conselho que eu nunca deveria ter ignorado e destaco aqui agora: mulher constrói ou destrói a vida de um homem! Descubra o que a sua faz por você.

Times Square X Chalana

A importância de um relacionamento sério ou casamento acaba sendo estrutural na nossa vida. Por isso, não adianta querer viver em Nova York, com uma mulher que quer morar no Pantanal. Uma hora ou outra, ela pega a chalana com um peão e você dança. Ninguém consegue fingir o que não é por muito tempo. Não adianta ser mega expansivo e casar com uma mulher controladora. Alguém aí está fadado a ser infeliz. E o chapéu de touro é a muleta mais rápida pra curar a infelicidade. Seja pra gente ou pra elas.

Eu Não Recebi o E-mail

O que nos leva a um próximo toque importantíssimo: não finja que não recebeu o e-mail! Explico: Muitas vezes você já identificou vários sinais de que o relacionamento acabou, mas ignora. Sabe quando você recebe um e-mail com má notícia no trabalho, mas resolve fingir que não leu, só pra ver se o problema se resolve sozinho? Pois é. Nesse espacinho de tempo a coisa desanda de vez.  Exemplos práticos: se constantemente sua mulher quer ir pra balada só com as amigas, meu amigo, ela está procurando algo que vai substituir você. Se ela te trata igual aos amigos, não faz questão de dividir partes importantes da vida, do dia-a-dia e nunca quer transar, já está impondo distância e não termina pra não perder atenção. Um relacionamento tem que ser prioridade no projeto de vida de ambos pra trazer felicidade. E pra confirmar isso, só conversando, encarando de frente.

A liberação da mulher nos trouxe uma complicacão: embora seja bacana para elas aproveitar como nós: sair mais, experimentar mais gente e não ter que ser tão bonequinha, também permite que façam mais abertamente as mesmas asneiras que nós: beber demais, pensar menos no outro, trair escancaradamente…

Sabe o que ficou mais difícil hoje em dia? Separar o joio do trigo: as certinhas, das inteligentes, das espertinhas, das safadinhas nos bons momentos, das sacaninhas, das sem caráter. E elas também não sabem mais quem é tranquilo, tímido, bundão, inseguro, workaholic, egoísta ou sem caráter.  Todo mundo ficou tão egoísta que não dá pista de quem é. Não corre risco, nem de achar uma pessoa bacana. Tanto nós quanto elas.

Por isso mesmo, faço meu protesto as mulheres que ficam posando de modernosas mas na hora de planejar as contas do casal, voltam ao século 18. Hello: a Sinha-Moça não pagava, mas também não tinha voz. É uma escolha. Pra ficar só cheio de cobrança, sem carinho e apoio, a maioria dos caras prefere – com razão – ficar solteiro. Ser parceira hoje, mulherada é ser menos machista também. Da nossa parte, cuecas, é ser menos egocêntrico e envolvê-las na base dos nossos planos.

Minha visão: quando a pessoa é realmente bacana, madura e se identifica com o seu projeto de vida, vai mostrando quem é, mesmo que seja aos poucos. Se expõe e topa a viagem com você como é, fazendo compromissos como a fidelidade. A gente tem que tem que ser mais claro e por consequência mais exigente ao se aproximar delas. Assim não compra gata por lebre. Fáááácil não é, mas a gente tem que tentar.






Escrito por Daniel Blum