Escolhi o título acima por vários motivos:

Acredito que a moda esteja intensamente ligada a elegância e, convenhamos, ninguém consegue ser mal educado, antipático e elegante ao mesmo tempo

Mesmo no mundo da moda, já presenciei modelos lindas/os serem mandados para casa após um chilique ou maltratar alguém da equipe. Algumas pessoas acabam esquecendo que somos todos seres humanos, não importa se servimos café ou se ficamos fazendo poses na frente das câmeras

Tento exorcizar a “cultura do carão” do meu convívio social, comportamento de quem considero inseguro ou ainda imaturo. Para quem não conhece a expressão, veja as fotos e, acredite, existem muitas pessoas caricatas assim:

E o motivo para a escolha do título da matéria, não menos importante, é que se você deseja mandar este recado para alguém, o retuíte já vai sair com a mensagem pronta ;)

E já que falei em mídia social, vamos começar com um guia prático de como ser elegante na web:

– Respeite quando alguém define o seu status do msn como “ocupado” e só chame se for realmente importante ou urgente. Chamar a pessoa para perguntar qual a balada do final de semana é #fail total

– Nada contra os miguxos, mas evite emotions nas frases, ainda mais se for uma conversa do trabalho ou com alguém que você não tem muita intimidade. Usar abreviações como: vc, tb, hr é totalmente aceitável, mas por favor, não assassine a lingua portuguesa só por ser uma conversa online

– Sempre que for chamar alguém, seja no skype, msn, bate-papo do facebook ou PRINCIPALMENTE ao telefone, pergunte antes: “Olá, você pode falar agora?

– Não deixe recados na página pessoal da pessoa falando o quanto vocês causaram ontem na balada, o nível elevado da ressaca ou nada relacionado ao uso de alucinógenos ou estimulantes, sejam eles qual for. Se você tem um emprego tranquilo, com um chefe de mente aberta, lembre-se que com certeza você é minoria

– Não saia por aí marcando amigos em fotos, imagens ou vídeos dos seus eventos, festas ou projetos, ao menos que as pessoas concordem previamente com isso ou também estejam envolvidos. Mural de facebook não é outdoor do seu umbigo. Depois disso, acho que nem preciso falar de spam via e-mail, né? Odeio receber algo do tipo: “Envie este e-mail para 10 pessoas, senão você terá 1 ano de azar”. Eu, sinceramente, considero isso uma macumba online, então, volta pro mar, oferenda!

Já na vida offline, algumas regras já deveriam nascer junto com o cordão umbilical e nunca serem cortadas:

– Se você vai na casa de um amigo, sempre ligue antes para saber se tudo bem. O amigo pode ser seu, mas a casa sempre será dele

– Se estiver rolando festinha, levar alguma bebida ou sobremesa sempre é bem vindo, mesmo que o dono da casa não peça

– Ninguém está pedindo para você ser a Miss Simpatia do prédio, mas falar “bom dia, boa tarde ou boa noite” dentro do elevador ou quando encontrar algum vizinho não faz a língua cair

– Você já parou para contar quantas vezes por dia costuma falar “obrigado” ou “por favor” para as pessoas? Então, ao invés de contar, coloque essas palavras em prática na sua vida

– Nunca, jamais, em hipótese alguma olhe para a tatuagem de alguém e pergunte: “Nossa, que bonita. Quando você vai terminar?” ou “Olha, ela tá ficando boa, hein. Vai terminar de pintar/colorir quando?”

– Ao pedir o isqueiro emprestado para alguém, não o coloque no seu próprio bolso. Isso não se chama distração, se chama cleptomania

– Por mais interessante que o seu iPhone possa parecer, quando você estiver em uma conversa em grupo, deixe o celular no bolso e não na palma da sua mão, ao menos que você queira ser confundido com um autista

– Falar alto em público é uma qualidade específica dos feirantes. Se você não precisa vender algo, limite o seu tom de voz apenas para as pessoas que estão dentro da conversa

– Um bate-papo entre amigos não é monólogo. Por mais que você ache a sua vida interessante, lembre-se que existe uma linha bem tênue entre comunicativo e narcisista

– Não tente parecer íntimo da hostess da balada lhe dando beijinhos e chamando de “querida”. Furar a fila também não é legal, ninguém vai te achar influente, apenas vão ter certeza de que a educação vai ficar na chapelaria

– E por último, vem aquela velha frase tão pouco colocada em prática: Trate as pessoas assim como você também gostaria de ser tratado.

Para quem ainda duvida que educação e simpatia estejam relacionadas com a moda, eu vou ser bem sincero. Se vejo alguém bem vestido maltratanto alguém ou sendo antipático, o primeiro adjetivo que me vem a cabeça sobre esta pessoa é: cafona.

Mas se vejo alguém de jeans, camiseta branca e All Star sorrindo e encantando a todos que estão ao seu redor, esta pessoa tem tudo para ser fonte de inspiração para os trendsetters.






Escrito por Felippe Canale
Jornalista e produtor de conteúdo. Veja mais no site eaiconteudo.com.br.