Começo este post pedindo desculpas a Lady Gaga. Apesar do vestido de picanha, 600 astronautas de prata e música nova a Capella (ela é bizarra mas cantou bem), o VMA’s deste ano teve outro protagonista, o rapper Kanye West.

O cara fez algo que admiro em qualquer ser humano: se desculpou sinceramente, expondo sua fragilidade.

Numa breve retrospectiva vemos que Kanye teve um último ano regido pelo satanás! Na premiaçao do VMA’s de 2009, foi um babaca durante o discurso da “pós-adolescente” Taylor Swift na aceitação de um prêmio. Chegou atropelando no microfone como aquelas gordinhas da platéia do Silvio Santos (que querem deseperadamente dar a resposta e ganhar uma nota de dinheiro falso) e contestou o prêmio dizendo que a vencedora deveria ser a Beyoncé. Arrogância BI-ZAR-RA.

Ninguém em sã consciência acha que a atitude do cara foi OK. Ter um prêmio contestado num evento transmitido ao vivo para o mundo inteiro é humilhação pra povoar os pesadelos da Taylor Swift por um bom tempo.

Apesar disso, o que chamou a atenção foi a consciência e a atitude do cara após o acontecido. Saindo da festa em 2009 Kanye se tocou da gafe, começou a se desculpar mas só conseguiu parar na última terça-feira numa performance redentora no mesmo VMAs, edição de 2010.

No ano passado o cara chegou a assumir que a idéia da interrupção do discurso surgiu no fundo de uma garrafa do conhaque Hennessy (fotos comprovaram). Kanye também teve seu pesadelo: o mundo comentou sua possível ida a uma clínica de reabilitação, tratamento para alcoolismo, teve shows cancelados, vaias e críticas que duraram meses equivalentes a séculos. Tudo merecido, mas nem por isso fácil de digerir.

Na última terça, a MTV deu espaço para Taylor Swift cantar sobre o incidente perdoando o rapper pela imaturidade. Criticando sem mostrar rancor, foi uma lady. Só precisava de afinação, né? Durante a apresentação torci secretamente pro Kanye ter uma recaída e interromper meu sofrimento. A trilogia “Senhor dos Anéis” passou mais rápido que o show da menina!

Fechando a noite foi a vez do Kanye West apresentar o single “Runaway”. A letra brinda aos ralés, estúpidos e arrogantes que precisam reconhecer seus erros e o valor das coisas. Utilizando o melhor do palco (fantástico), figurino, jogo de luzes, bailarinas numa coreografia incrível e vulnerabilidade, o cara roubou a festa. Exibiu seu melhor em rap e performance, itens que realmente importam na sua arte.

Auxiliados por assessores de imprensa e empresários, personalidades polêmicas normalmente buscam distrações, eufemismos, ou rezam pela amnésia alheia. Poucos tem a coragem de assumir um erro de cabeça erguida como Kanye West.

Penso em como um erro deste passa batido no dia a dia. Interromper as pessoas sem ouví-las acontece cada vez mais frequentemente na nosso cotidiano. E convenhamos: não importa se na TV ao vivo ou na reunião da empresa, é uma tremenda falta de respeito. Não faça isso em casa, rapaz!

Achei honesta a postura do cara em assumir o erro e pedir desculpas como qualquer um. O bacana do homem moderno é poder ser falível sem deixar de forte. Diferente da gerações dos anos 60 a 80, nós, homens dos anos 2000 não precisamos fingir perfeição. Podemos mostrar mais valor com conhecimento do que com grito. Admiro demais caras que defendem escolhas, atitudes e erros, mostrando suas forças e franquezas. As alegrias são muito mais intensas, acredite.

Kanye West colocou a carreira de volta nos trilhos com uma postura sincera e um hit sensível. Postura de um cara que leva uma vida moderninha  mas não se esconde atrás dela. Sabe aquele cara que tava tão ocupado no facebook que manda um SMS safado pra dispensar uma garota que namorou por meses? Tsc tsc. Muito last century (século passado).

O novo homem? É macho com mais tranquilidade. As vezes erra na mão da agressividade, mas sabe reconhecer e pedir desculpa quando é ogro.

Let’s have a toast to the douchebag, Kanye (Vamos fazer um brinde ao babacão, Kanye!)!






Escrito por Daniel Blum