Logo que me mudei para São Paulo fui morar na rua Augusta, sabe essas histórias de um amigo de outro amigo que está procurando gente para dividir apartamento? Então, para a minha sorte, o endereço era um dos mais interessantes da cidade, pelo menos, na minha opinião. Vida de universitário, a gente economizava no almoço, para poder beber depois do jantar!

Tudo por ali era um evento, a avenida Paulista ainda era um lugar seguro para se andar na madrugada, as pessoas faziam amizade ao se pedir um isqueiro emprestado e o cinema Espaço Unibanco ficava a poucos passos de casa. Foi lá que eu conheci a Soraya, ou Sol, a garota que estendia um varal na calçada e pendurava as suas camisetas com prendedores para expô-las ao público.

Como eu disse, fazer amizade não era dificil… e eu sempre adorei conhecer pessoas novas, eu costumo dizer que “passo vergonha, mas não passo vontade”. Não me lembro o motivo, mas acabei ganhando uma camiseta da Sol, lembro até hoje: ela era amarela e tinha o desenho de uma freira se masturbando. De lá pra cá, fiquei fã da marca e suas estampas que sempre remetem a temas cinematográficos, musicais ou imagens relacionadas a cultura alternativa.

Hoje em dia a marca Bendita Augusta cresceu, pode ser encontrada em todos estes pontos de São Paulo e pelo visto continua agradando.

O que você achou das estampas?






Escrito por Felippe Canale
Jornalista e produtor de conteúdo. Veja mais no site eaiconteudo.com.br.