Cientistas do Instituto de Pesquisa e Engenharia de Produtos de Cingapura trabalham em um processo que faz com que os Bichos da Seda criem naturalmente um tecido tingido e luminoso.

Para chegar ao resultado, os cientistas estão alimentando bichos de seda com moléculas fluorescentes, que são misturadas ao pó de amora, que é a base da dieta dessas larvas (que quando cresce vira Mariposa). As glândulas do animal absorvem o corante e o incorporam em sua produção de seda.

O principal objetivo desse projeto, além da inovação na indústria têxtil, é o ambiental, já que o processo de tingir seda demanda enormes quantidades de água. Com o tecido já vindo naturalmente colorido, essa água não precisaria ser utilizada.

Segundo os pesquisadores, esse novo tipo de seda estará no mercado em alguns anos.

Fonte: Revista Galileu.






Escrito por Guilherme Cury
29 anos, taurino, blogueiro e músico nas horas vagas. Criou o MPH há 7 anos com o objetivo de trazer as principais novidades do universo da moda masculina para o homem que se importa com o que veste.