Não há nada tão fora de moda quanto estar completamente na moda“. Essa frase é de ninguém menos que Glória Kalil e traduz bem o que é estar realmente na moda. Ser vítima dela e estar vestido dos pés à cabeça das tendências do momento já tem até nome. Fashion victim, além de ser uma música do Green Day que trata do mesmo tema (veja a tradução aqui), é também um termo utilizado para denominar pessoas que não sabem impor limites aos modismos e ao consumo e acabam sendo vítimas dos mesmos. O termo foi criado pelo estilista Oscar de la Renta para dar nome àquelas pessoas que renovam o guarda-roupa a cada lançamento,  coleção ou um novo salário e que estão vestidos da tendência da estação da cabeça aos pés. Não é difícil identificar um fashion victim. Dê uma olhada na blogosfera fashion e você encontrará aos montes. Essas pessoas não conseguem encontrar seu próprio estilo (ou talvez esse seja mesmo um estilo), estão à mercê de tudo que é novo, gostando ou não. Não conseguem dar um toque pessoal a cada look, o que os deixam sem nenhuma personalidade. E mais, não sabem que moda sustentável também está na moda. Um bom profissional da área ou um bom fashionista é aquele que sabe adequar a tendência da estação ao seu estilo. Sabe que estilo traduz a subjetividade de cada um e, mesmo que se modifique ao longo do tempo, expõe o “eu” verdadeiro. Ou pelo menos deveria expor.

Se você se identificou com a descrição acima, stop! Está na hora de conhecer melhor a si mesmo e assim, construir um estilo que tenha a sua cara. Um estilo é formado de acordo com as vivências pessoais e sociais de cada um, além dos gostos, é claro. Um gênero musical, um estilo de pintura, uma fase da história que mais lhe chame a atenção ou até mesmo o seu dia-a-dia são fatores que podem te ajudar a construir o seu estilo. Uma dica: recorte tudo que você goste em jornais e revistas (objetos, design, pessoas, comidas, paisagens, etc) e faça uma colagem distribuindo as imagens harmonicamente em um papel A3 (ou no photoshop, como o que fiz abaixo). Depois pegue todas as cores, formas e referências que dali saíram, anote, e comece a se conhecer melhor. Esse é um exercício que aprendemos na faculdade de moda para justamente não sermos vítimas dela. E não é preciso abandonar as tendências e todo esse blá blá blá da moda por causa disso. Conhecendo bem a si mesmo, você consegue adaptar qualquer tendência à sua maneira de vestir sem parecer um produto da mídia fashion.

Observe a seguir: a tendência  navy, por exemplo, pode facilmente ser adaptada para alguém que já tem um estilo formado, como neste caso, o rocker. Você não precisa sair por aí com listras azul marinho ou vermelho se não gosta dessas cores. Não precisa usar um dockside azul só porque disseram que ele está na moda. Uma boa forma de adaptar a tendência da estação ao seu estilo é usando modelagens padrões em cores nada comuns, e que se adéquem ao seu verdadeiro gosto. E, claro, lembre-se que o bom gosto e a satisfação pessoal vêm acima de tudo.

E você, o que acha?






Escrito por Dhyogo Oliveira
Blogueiro e designer de moda. Também escreve no Sem Geração.