Essa é a segunda parte da série de posts que pretendo mostrar como a década de 1960 influencia o jeito como nos vestimos hoje (se você não viu a segunda parte, corre aqui).

…e foi nesse burburinho de novidades que os jovens londrinos levaram para o resto do mundo, que as pessoas começaram a querer, de certa forma, a prever o que aconteceria no próximo milênio. Em 1961, bem no início da década, o presidente dos estados unidos lançou o desafio em um de seus discursos mais famosos, de “enviar homens à Lua e retorná-los a salvo” antes que a década terminasse. Logo, isso fez com quem o anseio pelo futuro / desconhecido ficasse cada vez maior. E pra fechar os anos 60, (mais precisamente em 1969) o homem, de fato, pisou na lua pela primeira vez. Além disso, outros acontecimentos sociais foram importantes para que todos achassem que futuro tinha chegado como as primeiras transmissões da TV em cores no mundo, o envio da primeira mensagem de e-mail, etc. E a moda foi uma das formas que a sociedade encontrou para massificar esse movimento chamado, alguns anos depois, de futurismo.

O primeiro homem a pisar na lua foi em 1969

O metalizado

Nas coleções e campanhas da época se via muita monocromia, recortes a laser, o branco translúcido (associavam branco à cor do futuro) e, certamente, o metalizado. O futurismo queria trazer à 1960 uma moda imaginada para o novo milênio. Não que achassem que em 2000 iríamos nos vestir como astronautas nas ruas, mas esse anseio trouxe esses elementos para as passarelas. E como disse no início no primeiro post, como os olhares atuais são para essa década (seja na arte, moda ou comportamento), já era de se esperar que o metalizado voltasse em algum momento.

Observei que o metalizado que a gente observa como tendência para as próximas estações é um elemento que veio direto dos anos 60 sob um olhar do mercado de moda feminino, e marcas como Burberry, Lanvin, Maison Martin Margiela e Roberto Cavalli apostaram na tendência em seus desfiles para a primavera verão 2013 (que corresponde como nosso verão 2013/2014). Pode ser cedo demais para pensarmos se isso pode pegar no Brasil ou não, mas o fato é que a tendência está aí!

E nos sapatos também!

Na quinta trago mais um post sobre a década de 60!






Escrito por Dhyogo Oliveira
Blogueiro e designer de moda. Também escreve no Sem Geração.